Entrevista à revista Versa [http://www.revistaversa.com.br/]


- Hacker lembra invasão de privacidade, mas não é somente isso. Como podemos traduzir cultura hacker?

Na verdade, aqui cabe um esclarecimento. Esta figura popularizada principalmente no cinema do hacker como uma pessoa de má índole está equivocada.

O termo correto para identificar pessoas que usam a tecnologia para prejudicar outras pessoas ou para cometer atos ilícitos é "cracker".


- O que faz o movimento hacker?

O movimento hacker já existe desde o momento em que alguém se rebelou contra alguma situação de injustiça, de opressão ou de perigo. O movimento hacker tem a ver com a busca de alternativas para melhorar a vida das pessoas, com a utilização de um conhecimento específico para trazer a tona situações em que a ética não está presente, com a criação de situação de pressão contra atitudes absolutistas e que ferem a liberdade dos indivíduos.


- Existe fórmula para se tornar um hacker?

Na verdade não se trata de uma fórmula, mas de um grupo de características, muitas delas passíveis de desenvolvimento e ampliação.

A primeira que desejo citar está ligada a uma grande competência ou habilidade colocada a serviço da sociedade e das pessoas. Ou seja, não necessariamente competência com computadores. Por exemplo, quando uma determinada banda faz um show para arrecadar fundos para uma determinada situação, entidade ou pessoa, ela está colocando sua habilidade musical a serviço de um bem maior, indo na contramão do estabelecido que é cobrar para tocar e ficar com o $.


A segunda característica está relacionada com o rompimento de paradigmas e com o estabelecido. O hacker busca novas formas de fazer as coisas, inova em sua vida e na maneira de atuar na sociedade. Não se contenta com regras pré-estabelecidas e busca a liberdade de expressão e de estra no mundo.


A terceira relaciona criatividade e inovação e não encerra o rol de características da cultura hacker. 

O hacker busca inovar em tudo o que faz, exercitando sua criatividade na forma de faze-lo e nas diferentes maneiras de privilegiar as pessoas e a sociedade como um todo.


- Quais seriam os benefícios da cultura hacker?

Penso que a cultura hacker seja a saída para um mundo de passividade, de velhas práticas, de exploração do homem pelo homem, da estagnação, da aceitação da mediocridade, da não valorização e da igualização dos indivíduos. Em um mundo de abundância de informações e de oportunidades, em que cada vez mais os indivíduos tem acesso aos mesmos espaços de saber (digitais principalmente), da escassez dos empregos tradicionais, o que diferenciará cada um de nós é nossa competência e habilidades, nossa criatividade e inovação. Ou seja, ser hacker é preciso!



Comentários