Pensando o Ensino Superior

Questões para discussão:

  • Em que medida estas percepções acerca da dinâmica das tecnologias faz parte dos processo educativos no ensino superior?
  • De que forma, não sendo nativos digitais, podemos apropriar estas possibilidades aos processos educativos formais?
  • Quais os desdobramentos destas questões sobre a instituição Universidade? 



Questões gerais sobre nosso encontro de 14/1/2015 
Tipo "piada interna" para o grupo de Metodologia do Ensino Superior 2015/1 ;-) )

Questão básica de discussão
  • Não se trata de substituição dos que já fazemos, mas de inserir novas práticas e experimentar novos métodos gradativamente;
  • Precauções técnicas - Antes do encontro é fundamental instalar, configurar e testar projetor, cabos, conexão (garantir a conexão cabeada), som, etc.
  • No Prezi, é fundamental criar a trilha detalhada dos elementos que quero destacar na apresentação.
  • Sempre que realizamos um hangout, devemos grava-lo a fim de não perder a oportunidade de eternizar alguma momento que, de outra forma, se perderia;
  • É fundamental reconhecer nas tecnologias digitais as sua aplicações como espaço de retorno, onde as questões trabalhadas podem ser sistematizadas/atualizadas pelo grupo. Mais, onde se concretize uma situação de compartilhamento de experiências de construção do conhecimento. Grande questão: Como estas tecnologias poderiam ser usadas na polifonia que deve ser o espaço de aprendizagem?
  • Existem inúmeras possibilidades de ferramentas que podem ser utilizadas. Assim, o professor não precisa ser um técnico. É preciso assumir que para cada ambiente que o professor conhece, os estudantes conhecem outros tantos que podem servir à construção do conhecimento, independente do professor. Não somos o centro do processo e nem tudo passa pelo nosso crivo. Fato!
  • Inteligencia artifical já existe e está presente (mesmo que ainda minimamente) em sites de busca, de compras, redes sociais, etc. 
  • Mudar da perspectiva instrucional para a colaborativa no ensino superior (e não só nele)  tb é complicado para os alunos.
Sobre o conectivismo
  • Não é uma teoria, pq não tem os requisitos básicos para tanto. Entretanto, é importante enquanto reflexão inicial / alternativa didática / possibilidade metodológica uma vez que os meios, os conhecimentos, as possibilidades de comunicação são enormes! Veja os casos dos PLES e MOOCS
  • O conectivismo trabalha com uma relação de confiança (o professor nao sabe as fontes e a vida do estudante fora dos ambientes que ele faz parte). É o momento de assumir que todo mundo é inocente até que se prove o contrário, e não o oposto!
  • O conectivismo tenta pensar o processo educativo como uma alternativa para o currículo. É  perspectiva pedagógica para o século XXI! as teorias de aprendizagem aceitas e consideradas "sérias" são de outro momento.
 

Links relacionados

09 Nov 2011
O potencial de socialização do conhecimento erado, ou das experiências realizadas traz responsabilidades para o aluno e para o professor. Para o aluno no ato de disponibilizar para o mundo algo que foi construído e que ...

23 Set 2011
Importante considerar o conhecimento prévio do aluno; A socialização traz responsabilidade; O professor precisa ser profundo conhecedor? Ou um desafiador? Usar tecnologia de forma democratizante; Criar um movimento ...

02 Mai 2011
Participe gratuitamente da palestra online sobre as potencialidades de Inclusão Digital para a educação do século XXI. Para ter acesso ao material da palestra, basta acessar o link. Material da palestra. e solicitar acesso ...

01 Jun 2013
Professor, conforme combinamos estou enviando algumas dúvidas que tenho sobre o uso de tecnologias na educação. Obrigado pela participação. Aguardo retorno o quanto antes. 1. Como as novas ferramentas e ...

19 Mai 2012
Parece claro, que as tecnologias impõem muitas mudanças no cotidiano esolar. é preciso repensar nosso papel de professores, considerar as expectativas e características de nossos estudantes e o potencial das ...

22 Abr 2012
Entrevista dada em 22/04/2012 a Marita Andrade da revista Presença Pedagógica, uma revista voltada para a formação do professor (www.presencapedagogica.com.br) --------------- - Em que consiste a Educomunicação?

06 Jun 2012
Penso que é importante, para professor e aluno, todas as tecnologias que estão disponíveis. Mas é preciso que o professor tenha uma formação adequada para auxiliar o estudante, porque muitas vezes este estudante tem ...

24 Fev 2011
Então, gostaria que o professor avaliasse o uso de recursos > tecnológico na educação, tanto em escolas quanto em instituições de > nível superior. Bueno, veja que estas questões envolvem uma boa dose de subjetividade,
 
17 Jun 2014
Doutor em Informática Aplicada em Educação, pós-doutor em Educação, professor e pesquisador do Curso de Ciência da Computação e dos cursos de Mestrado e Doutorado em Educação da UPF. Contato: teixeira@upf.br.

Comentários

  1. É difícil para quem não é um "nativo digital" - e quanto mais velho mais difícil parece ser - aceitar as possibilidades. A primeira necessidade é não alimentar preconceitos típicos de quem foi vendo a tecnologia surgir e teve dificuldades em seus primeiros tempos - até porque, hoje, é simples aprender a utilizar essas ferramentas. É básico, antes de mais nada, a motivação e a pro-atividade: o docente precisa querer. O processo não precisa ser formal - as tecnologias podem auxiliar nessa transformação de process de ensino e aprendizagem, mas não podem levar o docente a ser um "escravo" dessas tecnologias. Elas são ferramentas, são meios, não fins.
    O que leva a questão de como a Universidade hoje encara essas ferramentas: elas são acessíveis, mas devido até ao mau uso que os próprios alunos - e alguns docentes, por que não? - fazem dessa acessibilidade, a própria instituição tende a bloquear o acesso a muitas ferramentas ou objetos importantes (certos termos, sites, tecnologias de streaming, redes e afins ainda são controlados). Novas tecnologias impactam em uma mudança na forma de a instituição ver o processo de ensino e o acesso a diferentes ferramentas, mas o processo não pode nem ser generalizado, nem individualizado. É uma construção que depende ainda, principalmente, da motivação do docente e sua conscientização até mesmo com oportunidades que a instituição oferece, com a própria disciplina de metodologia. À medida que os docentes começarem a mudar sua forma de ver o processo, a instituição passa a ser reconhecida, de fora para dentro, por essas inovações e atualizações.

    ResponderExcluir
  2. Sabe-se que a educação fazendo parte de um sistema, ela é, via de regra, algo imposto. Noutros termos, ela é organizada de modo linear e o modo pelo qual produz conhecimento é também linear. Ao contrário da lógica das atuais tecnologias digitais que trabalham na lógica da rede, compartilhamento e cocriação, o sistema tradicional acaba por promover um certo bloqueio.

    ResponderExcluir

Postar um comentário